O que é demissão por justa causa? Entenda!

A demissão é quando um contrato entre um trabalhador e uma empresa é encerrado. Essa ação pode partir por parte do emprego que não quer mais trabalhar na empresa ou quando o patrão não quer mais o empregado. Todos os tipos de situações envolvem ganhos e perdas. Saiba como funciona a demissão por justa causa, a situação mais séria.


Entendendo a demissão por justa causa

A demissão por justa causa acontece quando a empresa possui um motivo forte para remover o empregado. A falha foi do empregado que não cumpriu com sua parte do contrato ou não teve um comportamento condizente com as regras da empresa. 

Para ser considerada justa causa pelas leis trabalhistas o motivo deve ser sempre justificado. Ele deve ir de encontro com as normas acertadas entre empresa e trabalhador e ser amparado pela lei. Um exemplo: chegar atrasado corriqueiramente. Se há um horário para ser cumprido a empresa pode demitir por uma falha constante. O mesmo vale para falhas não justificadas. 

Mas o que seria um motivo não amparado pela lei? Quando as leis trabalhistas não amparam a prática da empresa. Imagine a situação de um empregado trabalhando seguidamente sete dias por semana por meses. Ele resolveu não mais manter a prática e foi demitido porque a empresa só quer pessoas que aceitem trabalhar os 30 dias sem folga. 

Ele demitiu por justa causa porque isso estava em seu contrato. Contudo, a CLT – Consolidação das Leis de Trabalho, não pode-se manter uma carga horária constante sem um dia de folga. A demissão pode acontecer mas o funcionário deve ser reintegrado (se assim desejar) pelo Ministério do Trabalho e a empresa multada. 

Direitos perdidos na demissão por justa causa

Quando a empresa tem seus motivos de demitir o funcionário ela deve sempre avisar antecipadamente. O aviso prévio pode ser de 30 dias antecipado ou pago em dinheiro para desligamento imediato. 

Mas infelizmente o seguro desemprego é perdido. O trabalhador que é demitido sem justa causa possui o amparo do INSS para receber salário por dois ou seis meses na tentativa de recolocação no mercado. Sendo demitido com justa causa ele perde esse direito. 

Também perde o direito ao 13º salário. Não tendo completado os 12 meses seria recebido o proporcional aos meses trabalhados. De igual medida as férias não são pagas a quem é demitido por justa causa. 

Demitido por justa causa pode recorrer

Mas ainda ficam direitos ao empregado mesmo tendo perdido o vínculo com a empresa. Um deles é de recorrer à decisão. Se o empregado não acha justo o motivo ou não condiz com o informado antecipadamente pela empresa, há como recorrer a decisão. 

Uma das formas é buscar ajuda do sindicado da categoria. Os advogados do sindicato podem ajudar tanto a multar a empresa como reintegração do cargo. Ele pode voltar a ocupar a mesma função. O clima não será dos mais agradáveis mas o justo é justo. 

Também pode-se buscar ajuda sozinho com um advogado especialista na área trabalhista. Caso ele ganhe mas não queira voltar mais à empresa receberá todos os valores devidos de seguro desemprego, FGTS e outros. 

Como funciona a transferência do Bolsa Família?

O Bolsa Família é um dos benefícios que mais ajudou pessoas de baixa renda no país. O calendário bolsa família 2018 proporciona o recebimento de ajuda de custo de mais de 13 milhões de brasileiros hoje. E caso a família mude de endereço pode fazer transferência do Bolsa Família sem problemas. Saiba mais!

Como funciona o Bolsa Família?

O Programa do Governo Federal com mais de 10 anos de funcionamento funciona com uma ajuda de custo para famílias de baixa renda. É fornecido um valor mensal de no mínimo R$ 39 reais e máximo de R$ 170 por pessoa. Podem ter mais de um beneficiário em um mesmo endereço, mas os recebimento não podem somar mais de meio salário mínimo.

O valor a ser pago por pessoa depende de sua necessidade e sua situação cadastral. Sendo uma lactante, por exemplo, a nova mãe pode receber R$ 39 mensais como ajuda de custo na amamentação. As gestantes recebem por até nove meses o mesmo valor.

A Bolsa Família para desempregados de baixa renda fica no valor de R$ 87. Entram ai nessa categoria quem ganha até meio salário mínimo como renda total familiar.

Como transferir o Bolsa Família?

Se por algum motivo o beneficiário modificou o seu endereço ele consegue ainda fazer o saque em uma agência da Caixa Econômica Federal com seu cartão do Bolsa Família. Contudo, a mudança de endereço é necessária. É preciso transferir o Bolsa Família para o novo endereço para não ser considerado fraude e poder receber uma segunda via do cartão (caso necessário) no novo endereço.

A transferência do Bolsa Família pode ser feita indo pessoalmente até o local onde se faz o cadastro. É necessário levar o novo comprovante de endereço em mãos e documentos pessoais originais com foto. O endereço será modificado sem problemas, desde que o beneficiário continue na mesma situação de ainda necessitar receber o valor.

A mudança acontece no sistema online em segundos e o endereço será modificado no programa sem qualquer custo. A partir de então qualquer problema a pessoa que recebe a bolsa deve procurar um posto de atendimento do programa na nova cidade.

Pode transferir o Bolsa Família para outra pessoa?

O benefício do Bolsa Família é concedido por pessoa e com CPF. Logo, ele não pode ser passado e nem sacado por terceiros porque é de cadastro único.

Para entender o porquê que o Bolsa Família não pode ser transferido para outra pessoa é simples. Você pode precisar do benefício mas a outra pessoa a qual passar não possui o direito porque tem renda. Quem decide quem pode ou não é a organização do programa através do Governo Federal.

O valor repassado para os beneficiários é constantemente remanejado. A cada dois anos é preciso realizar um recadastro para saber se há a necessidade de receber ainda a complementação de renda ou não. Se não houver, o cadastro é suspenso e mais gente vai ter acesso ao benefício. Quem realiza a transferência da verba é o próprio programa.

Vantagens de Desvantagens de Viajar de Carros!

Viagens de carro costumam ser uma opção interessante para quem quer curtir todo o passeio e traçar a sua própria rota. Mas antes mesmo de pensar no IPVA 2018 e nas possibilidades de adquirir um novo veículo pensando nas férias, é necessário analisar com cautela todos os pontos. Saiba mais!

As vantagens de viajar de carro

Muitos motoristas são fãs de viajar de carro por algumas vantagens em comparação a seguir o mesmo percurso de avião ou ônibus. Um dos pontos mais legais a levar em consideração é poder sair a hora que quiser e não depender de escalas de avião ou horário da rodoviária. Está cansado hoje? Só adiar para amanhã o passeio.

Outro ponto interessante é a quantidade de bagagem a se levar, o que não se limita à mala e não se paga a mais por isso. A bagagem de avião possui limite sem pagar taxas extras e o peso é um grande influente nisso. Um veículo com grande mala possui uma limitação muito maior e ainda pode levar uma bagagem extra no banco de trás se não houver passageiros.

Outras vantagens de viajar de carro:

  • Pode parar onde quiser. Encontrou uma paisagem bacana ou um local legal? Pode fazer uma paradinha extra;
  • Pode estender ou encurtar a viagem sem perder a passagem;
  • Há a possibilidade de levar filhos sem pagar a mais por isso;
  • Os custos de combustível costumam ser menores que o de passagem de avião;
  • Existe um conforto maior que poltronas promocionais de avião.

As desvantagens de viajar de carro

Apesar de ser muito bacana a viajar de carro envolve algumas limitações. Uma delas é o tempo percorrido, em especial para o motorista que estará com atenção total no volante. Uma viagem de 12 horas de carro pode durar menos de uma hora de avião, tornando o trajeto bem menos cansativo. Se há a pressa de chegar ao destino ou horário apertado o mais bacana seria o avião.

Também é necessário avaliar a manutenção do veículo. Todas as taxas devem estar pagas ou o carro pode ser apreendido em qualquer fiscalização de rotina. Também é indicado revisar o estado do motor e dos pneus para evitar problemas mais graves durante o passeio.

Outros pontos a levar em consideração são:

  • Sem revezamento de motoristas pode ser cansativo para apenas um condutor levar o veículo em todo o trajeto. Na estrada a atenção deve ser redobrada;
  • Alguns problemas podem deixar a viagem um pouco penosa. Um pneu furado leva tempo e dois pneus furados necessitam de reboque. São situações a se pensar em caso de não haver seguro;
  • As estradas brasileiras nem sempre são as melhores para condução. É preciso analisar o trajeto com cautela antes de optar por viajar de carro e evitar riscos de acidente;
  • Viagens noturnas costumam não contar com ponto de suporte como borracheiros, oficinas abertas e restaurantes. Muitos postos de gasolina também fecham na madrugada.

Tendo atenção e cuidado, viajar de carro pode ser uma experiência única e muito prazerosa entre familiares e amigos.

Melhores destinos para quem gosta de gastronomia

Turismo é também uma viagem pelo universo de uma boa refeição. Aproveitando a oportunidade de conhecer novos cenários e uma cultura diversificada, também é possível embarcar em uma viagem culinária. E existem bons destinos para quem curte gastronomia. Saiba mais!

Os melhores destinos nacionais para quem gosta de gastronomia

Viajar é uma ótima oportunidade de apresentar ao paladar a variedade cultural na cozinha. Muitas cidades sabem desta preferência do turista e andam investindo cada vez mais em um turismo gastronômico. E o que isso quer dizer? Uma boa variedade de restaurantes apenas experimentando para você conhecer pratos típicos locais. 

Em viagens ainda no país é possível curtir uma boa variação de pratos. Um bom exemplo temos na Bahia e sua variação enorme de pratos com peixes. A muqueca é a mais pedida, bem temperada e com uma enorme quantidade de frutos do mar. O acarajé e tapioca são encontrados em todos os restaurantes e até lanchonetes.

Os fãs de carne não podem perder uma viagem de férias para o Rio Grande do Sul. O famoso churrasco gaúcho e as comidas típicas são atraentes até demais em diversos espaços com festa e dança. Há ainda a descendência alemã na região que fazem as tortas e chocolates serem abundantes. E não se pode também deixar de experimentar o Chimarrão.

Para quem quer experimentar de tudo um pouco talvez São Paulo seja uma cidade para conhecer. Os diversos bairros e seus pólos gastronômicos oferecem de tudo, de churrasquinho grego à comida oriental. O bairro da Liberdade, por exemplo, é uma ótima dica de trajeto para quem quer curtir comida coreana, japonesa e chinesa.

Os melhores destinos internacionais para quem gosta de gastronomia

Quer ter o gostinho nos lábios dos melhores pratos do mundo? Talvez Amsterdã deva ser o destino de sua próxima viagem. A cidade holandesa foi eleita a região com os melhores chefs do mundo. O prato obrigatório é o Stamppot, um purê de batatas com vegetal.

Ainda na Europa não se pode esquecer a Itália para quem é fã de massas. Os pratos servidos são bem diferentes dos correspondentes no Brasil mesmo possuindo inspiração semelhante. As massas com vegetais fazem sucesso e são todas caseiras. A melhor cidade para curtir uma boa pizza é Roma. 

Quem curte variedade de pratos pode se surpreender positivamente com a Índia como um destino gastronômico. Atenção porque o tempero típico é a massala, bem picante. Quem adora massa vai gostar de saber que o pão é um excelente amigo dos indianos e a sua massa está em quase todo os itens.

Por último e não menos importante temos o refino da boa e velha França. A tradição de alimentação francesa é tão antiga quanto o país que faz parte do velho mundo. Seus restaurantes são famosos e referência em todo o mundo, sempre com uma equipe preparada para dar dicas das melhores escolher. E não vale deixar de degustar vinhos e curtir uma imersão cultural completa.

Quanto Ganha um Deputado Federal?

Nunca foi segredo que ser político em Brasília é o segredo da felicidade salarial. Não é a toa que quem entra para a política dificilmente larga o emprego e migra para outra área. Tenta apenas novos cargos e cada vez mais altos, como o de Deputado Federal. Saiba mais sobre quanto ganha um Deputado Federal e como funciona!

Quanto Ganha um Deputado Federal?

O que faz um deputado federal?

Eleito por meio de eleição direta(o povo quem vota), o deputado federal é um funcionário público para servir aos interesses do povo que nunca sofrerá com o reajuste salário minimo 2018. Ele trabalha na Câmara dos Deputados em Brasília, o que deve cumprir expediente todos os dias.

A função do Deputado Federal é manter as leis e a constituição, fazendo com que sejam cumpridas todas regras estabelecidas na Constituição Federal. Como somos um país com regime presidencialista e com uma constituição, cada lei é votada e acrescentada nos códigos ou na própria constituição. E isso é o deputado quem faz.

Na Câmara dos Deputados (conhecida apenas como Câmara) os projetos de lei são votados e podem ser aprovados ou não. O Senado ainda precisa aprovar, mas a votação dos deputados é o primeiro passo.

A quantidade de Deputados em atividade depende do número populacional de cada estado. Cada Estado  deve manter um mínimo de 8 e um máximo de 70 e somando 513 no total para preencher a câmara.

Quanto ganha um deputado federal hoje?

A função de um deputado federal é importante? Muito, pois suas votações são as responsáveis por mudar as leis no Brasil. O seu salário é condizente com o grau de responsabilidade, somando nada menos que R$ 33.763,00. Espantoso para alguns é saber que este valor é maior que o do Presidente, que chega a R$ 30.934,70 por mês.

A forma como esse valor é computado depende da presença do deputado na Câmera. Caso ele não compareça em votações há um desconto em seu salário mensal. E caso ele não esteja sem justificativa em um terço das audiências pode perder o mandato.

Muitos brasileiros acham o salário de um deputado federal alto e contestam esse valor e na verdade realmente é um número elevado. No mundo os nossos deputados são os mais bem pagos. Há propostas para reduz o valor para R$ 26.723,13 por enquanto não saíram do papel.

Os benefícios dos deputados federais

O salário mensal não é o único ganho do Deputado Federal. Somam-se aos seus ganhos ainda um auxílio moradia de apenas R$ 32 mil mensal ou ele ganhará um apartamento para morar de graça. Por ser obrigado a trabalhar fora do seu estado de origem o Governo Federal banca essa mudança fornecendo a moradia.

Uma ajuda de custo de R$ 45.240,67 para contratação de funcionários, gastos com alimentação e transporte também é fornecida mensalmente. Também há gastos médicos cobertos e custos de viagens e refeição com ressarcimento caso sejam à trabalho ou viagens para a mesma finalidade. Podem alugar um carro ou motorista ou mais de um, desde que fica no valor máximo da verba.